domingo, 4 de dezembro de 2016

Brutal





Vês a brutalidade da sensualidade

que carrego nas mãos.

Armas de erotismo que aponto

Para ti.



Sento-me na cadeira

E não há maneira

De não me sentir submissa.



Anseio ouvir-te.

Estou com a pele

Viva e quente.

Seguras nas minhas mãos

para prender o meu corpo inocente.



A tua voz quente

vibra no meu ouvido.



Pensas-me indefesa.



Queres levar-me à lua.

Para isso preciso de te pedir

que me possuas.



A viagem é longa.

É preciso ir devagar

para chegar bem e depressa.



Viajas fora do meu corpo.

Traças trajectórias cadentes

de beijos incandescentes.



Dominas todas as ruas.



Os teus dedos na

garganta

apertam-me as palavras.



Esticas a corda.

Puxas-me para ti.

O meu tronco eleva-se.



Deixas-me riscar-te

as costas.

Sem erros.



Ficas entre as minhas coxas.

Fecho os olhos em gemidos.

Preciso do sabor da terra.

Preciso do perfume doce

que paira no ar

quando somos cremados

na fogueira dos sentidos.



Isso sim:

é brutal!

domingo, 27 de novembro de 2016

Posso pedir um desejo?




Está escuro.

Leva-me pela mão.

Deixa-as cair pela minha existência.



Está escuro.

Vês-me passar.

Ouço o assobiar.

Fico preocupada.

Podes ficar sem ar.



Não mereces estar sozinha.

Ouço os meus passos,

Seguros.

Com a silhueta inquieta,

Retribuo com um sorriso.

Não amarelo mas violeta.



Não mereces estar sozinha.

Há a luxuria nos lábios

Que me mordem a fantasia.

Há a distância dos opostos.



Há a overdose do que não há.

Há a vontade de ver a morte.

Tudo cai por terra.



Prendo-te no minuto certo

Quando te estendo a minha pele.



Está escuro.

Não mereces estar sozinha.



(roo a solidão por dentro

nos ecos do silêncio)



Mas...

posso pedir um desejo?

domingo, 20 de novembro de 2016

Promessa



Traço a perna

no meu vestido negro.



Quero quem nunca vi.

Quero quem nunca conheci.



Tenho pressa

de chegar.

Essa vontade

não consigo dominar.



Afasto o que

Cobre o monte da Deusa.

Lavo aí as minhas mãos.

Benzo os meus lábios violeta

com a água da fonte.



Prometo.



Vou levar-te ao espaço.

Vais descobrir luas

novas e minguantes.

É essa a viagem

dos amantes.



Até me doerem os lábios,

que não vês,

preciso de faíscas,

da colisão,

contra a parede

ou o colchão.

Ou do que estiver à mão

ou ao corpo.



Quero prender-te

nas algemas

dos meus dedos.

Sentir-te por dentro.



Rasga-me a máscara

do corpo.

Inunda-o, nu.

Torna-me uma extensão

de ti.



Prometo:

o vestido negro

só cairá na tua presença.



Prometo.

Logo que te conheça.

Prometo.

sábado, 12 de novembro de 2016

Não me sinto cá




Não há claridade

que apague o obscuro

das pessoas

e das coisas.



Dizes, então,

que trago a luz do desejo

no olhar.

Por isso,

não me sinto cá.



E eu digo-te

que o verão

fica à esquerda do meu peito.

Leva-me, então,

por essa estação.



Não me sinto cá.



Há um solo dominado

por cardos,

roupa por todos os lados,

que é preciso lavrar.

E é nessa jornada,

quando o sol está a pique,

que me sinto

corar.



Não me sinto cá.



O solo tem no reverso

o passado

com cicatrizes e

segredos.



Entre a saliva

e o toque,

agarra-me pelos ombros

e murmura-me,

longe dos olhares alheios,

o que é indiscreto.



Não me sinto cá.



A certeza abandona-me.

Os teus dedos esgueiram-se

para lados incertos.

Enquanto a incerteza dura,

ardo na fogueira

e crepito como uma castanha.



Magusto-me.

Já não me sinto cá.

domingo, 6 de novembro de 2016

Grito de morte


 



Sou um cadáver frio.

Tenho muitas peles guardadas

no armário.



Alimento-me das

coisas do corpo

e o coração está morto.

Apenas lateja a saliva.

Parece que ainda estou viva.



As palavras ensanguentadas

jorram dos pulsos cortados

com o punhal de vento.

Tenho os dentes

chumbados

com os desejos inconscientes.

Estarão eles

 mais perto do céu.



Debaixo da pele

existo dentro

do gesto.



Quando cai a noite

no quarto,

há uma flor

que arde

e um perfume que

condensa o orgasmo

num só grito



Morrer devia ser assim.
Ser tudo. Por agora.

Apenas um grito

de morte.

sábado, 29 de outubro de 2016

A Finada




Já não há leitores.

Há nudez.

Há quem veja com as mãos;

quem leia com os dedos.

quem fale gestualmente.

As mãos andam nuas.



A poesia é coisa pouca.

Tenho as mãos vazias

na banalidade

da explosão líquida

que ocorre na ruína

do meu corpo.



Os poetas não servem para nada.

Há sempre um mau caminho

para percorrer.

Húmido.

Sem norte.

Deixa-te quente

e leva-te para a frente.





Os poetas deviam encher páginas.

Não deviam deixar vazios.

As pernas abertas

são pontas de estrelas

caídas no vazio

do quarto

crescente.



Que morra a prosa.

Se desejas algo,

estás morto por algo.

O desejo é poesia

que te leva do caixão

à cova.

Morreste?

Uma ova!



Não te escrevo

uma prosa.

Enterra-te.

Deixo-te a rosa.



Fina-se a poesia.

domingo, 23 de outubro de 2016

Urgência




Tenho o meu corpo solto

numa cama encalhada

e as unhas cravadas no algodão..



Há urgência.



Abres-(me)

a janela,

fazendo-a ranger de

arrepios.


Há urgência.



Dava-te um terço

para que pudesses desvendar

todos os mistérios.

Assim renovarias

não promessas,

mas certezas

nos ais a Deus.



Há urgência.



No hall celestial

cortas a carne com

intenso prazer erótico.

Rasgas virgindades.



Há urgência.



Há a fome antiga de água.

As árvores escondem-se

debaixo do chão.

Deixa-me regá-las

com urgência.

domingo, 16 de outubro de 2016

Posso fazer algo por ti?


 


A janela abre-se sobre a rua

e antes da nudez consomada

já me vês nua.



Posso fazer algo por ti?



Pisa-me que eu deixo

que faças as tuas marcas.

É uma batalha perdida.

Tenho a mão na faca.



Posso fazer algo por ti?



A carne dissolvida

na saliva.

Não o calo

e não dorme o falo.

Selo de joelhos a intimidade.



Posso fazer algo por ti?



 Respiro para que não doa.

Onde acaba a roupa e

começa a pele,

para pontos mais altos

e buracos mortíferos,

algo nos impele.



Posso fazer algo por ti?



Receio como tu

o mutismo.

Não quero agarrar estrelas cadentes.

Não tenho esse desejo.



Posso fazer algo por ti?



A poesia não tem grades

mas doem-me as costas.



Mas, posso fazer algo por ti?

domingo, 9 de outubro de 2016

Queres voar?




Foto: Ruslan Lobanov


Aterro na cama

e não sou um avião.

Deixo a minha consciência

debaixo do colchão.



O corpo olha-te

de lado,

vivo,

afogado na fantasia

diluída na pele.



Trazes a faca

para me esfaqueares.

Cortas-me a cabeça.

Não penso.

Cerra-me os lábios

Com a língua.

Leva as palavras duras

para a rua.

Atira o meu coração

pela janela.

Deixa lá o peso das estrelas.



Habita ,

mortal,

o reverso do que

há em mim.



Queres voar?


domingo, 2 de outubro de 2016

Um homem não é de ferro




Foto: José Lobato


O desejo de tocar-te

faz-me sentir fome.

Nada ocorreu.

Ninguém morreu.



Apenas uma substância

escorre

pela garganta funda.

Coagula-me o pensamento.

Deixo o corpo à solta.

Há a dor de ver a luz.



Ficamos afastados do chão.

Estamos em cima do colchão.

Há o apetite das coisas

que não se veem.



Ejaculo palavras inaudíveis

para os ausentes

mas sem erros.

Quero provocar-te um orgasmo

na descontração

do espaço (jamais)  vazio.



Escreve-me com a língua.

Depois coloca tudo num

parênteses:

o abraço à volta do corpo.



Elevas-te do fundo de mim.

Afinal um homem não

é de ferro.