sábado, 17 de outubro de 2015

Sem palavras


Foto: Katia Chauseva
 
 
 
Da minha varanda

vejo uma toalha

a baloiçar.

Diz que pode voar

com a língua do vento.

 

Engulo em seco.

Não tenho palavras para vomitar.

 

Tenho a voz mutilada

e o coração é um

nó cego.

 

Tenho uma corda

de insónias

pendurada no pescoço.

Tenho pouco tempo de vida.

 

Felizmente,

o tempo terminará quando

me fizer pó.

 

Corri a mão

e desço as escadas:

ângulos retos tridimensionais.

Falar de nudez

é falar de mãos.

 

O chão estremece

num clarão

a cada passo que dou.

 

Vejo uma cortina de gritos

mudos a meus pés:

a sombra que existe

para quem “é”.

 

Escrevi-te.

Tudo se tornou claro.

 

A toalha continua a baloiçar.

Não voou.

24 comentários:

  1. Um texto muito bonito, e tocante! E mais uma vez, brilhantemente conjugado com uma boa escolha de imagem!
    Mais um post excelente, que gostei imenso, de apreciar, por aqui!
    Beijos! Bom domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  2. sem palavras...digo-te que amei demais!

    bj

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito.


    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito.


    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Gostei bastante do teu poema.

    Boa inspiração, sem dúvida

    Obrigada pela agradável visita

    Bjgrande do Lago

    ResponderEliminar
  6. Não foram precisas palavras ditas.
    Gostei muito deste teu espaço.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    Muito bom o seu estilo de poesia... me agrada!
    Obrigada pela sua visita.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Quando se escreve com amor e sobre amor, passado ou presente, o vento nada leva. Ele sabe das consequências dos seus tresloucados atos, assim tudo fica leve, predisposto, à mercê.
    O seu texto está bem "engrenado" e com bastante imaginação lírica. Regozijo-me pelo retorno.

    O "coração de tinta" jorrou vermelho e com intensidade.

    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  9. Gosto da imagem, que encima as suas palavras, devo acrescentar. O vento, o tal de que fala, despenteou, aparentemente, a mulher, que continua, deliberadamente, assumida.
    Ela, a imagem combina muito bem com o seu texto, um tanto melancólico, um tanto estoico.

    Dias felizes!

    ResponderEliminar
  10. Tantas palavras num silêncio que restou.
    Magnífica, embora desconcertante, poesia!

    ResponderEliminar
  11. Palavras soltas ao vento. Um poema algo misterioso...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Nostálgico e sombrio mas com a beleza de belas imagens
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Olá Ana!
    Um belo blog, uma bela foto,um belo poema sobre a irremediabilidade
    das coisas.
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderEliminar
  14. No Outono as sombras projectam-se no chão

    que se levanta

    ResponderEliminar
  15. adorei!

    www.pinkie-love-forever.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Olá Ana, um poema um tanto enigmático que mais me parece um "grito"e que gostei muito. A imagem à altura do mesmo. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  17. Ana!
    Que poema gostoso de se ler.
    O qual esta a expressar um pouco de tudo de uma forma harmoniosa, com dizeres profundos de real significado.
    Amei seu Espaço num todo, por isso ja estou a te seguir.
    Convido-a a fazer parte de uanderesuascroniocas.
    Bj de carinho seguido de um ótimo final de semana.

    ResponderEliminar
  18. Olá Ana,

    Agradeço o seu convite novamente para visitar o seu espaço.
    Eu já estive aqui, comentei e apreciei a sua arte poética.
    Mas, na ocasião não tinha conseguido ficar seguidora, pois
    a janela não abria. Hoje consegui.
    A imagem belíssima, que acompanha muito bem o belo
    poema enigmático, revelando:
    "Tenho a voz mutilada
    e o coração é um
    nó cego."
    Os mistérios da impermanência do tempo, das palavras
    e da vida... Talvez uma transcendência que se presentifica
    na sombra, nas lembranças...
    Fiquei encantada com esta sua magistral construção:
    "Falar de nudez
    é falar de mãos."
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  19. Lindos e inspiradores versos. Uma feliz e abençoada semana.

    ResponderEliminar
  20. OI ANA!
    UM POEMA NÃO PODE SER EXPLICADO, POIS MUITAS VEZES NEM O POETA QUE O ESCREVEU PODERIA FAZÊ-LO E SABEMOS QUE, PARA A ARTE NÃO PODE EXISTIR DEFINIÇÃO POIS, ELA PROVÉM DA ALMA!
    TEU TEXTO É EXUBERANTEMENTE BELO.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  21. Meu Deus, que poesia é esta, flutuei nas palavras, nos ganchos entre elas, e meus sentimentos tentando bailar com o poema...tou sem palavras, e olha que as cultuo...terei de ler mais vezes, voltar mais vezes...um poema encantador.
    ps. Carinho respeito e abraço

    ResponderEliminar
  22. Gostei do que li e prometo voltar com mais tempo.
    Obrigado pela visita

    Abraço
    Runa

    ResponderEliminar