domingo, 25 de outubro de 2015

Inutilidade


 
 
Foto: Hamanov Vladimir
 
 
Isto será inútil.

Não cansem os vossos olhos a ler-me.

Para nada serve.
 
 

Por trás do vidro embaciado

existe algo:

uma sujeita com os olhos abertos

para o sono eterno.

 

Reflito, sem pensar,

na janela em movimento

onde um fio de água

estala o vidro na diagonal

e me transforma em bidimensional.

 

A cabeça cai nas mãos.

Perdi a racionalidade.

O corpo morre na sombra

esquecida.

 

Tenho o peito seco,

os braços abertos

para receber as vossas preces

e o coração antónimo.

Já não bate.

 

Fico sob terra,

acima dos comuns mortais.

É inútil a inspiração

da carne

que amamos com o avesso da alma.

 

A folha é estéril.

Continua casta.

A mim só me resta a nudez

das mãos inertes

e uma mancha de tinta.

 

São inúteis as palavras,

neste momento.

12 comentários:

  1. Que grande inspiração, Ana!
    Excelente.
    xx

    ResponderEliminar
  2. Belo poema, belo blog. Adorei a atmosfera envolvente assim que se entra aqui.
    Bom demais!

    ResponderEliminar
  3. Achei maravilhoso, Ana!
    Tocou-me profundamente...
    Parabéns e obrigado por estes versos.
    Um grande e fraterno abraço, Ana!

    ResponderEliminar
  4. Versos de sentidos à flor da pele, em que se irrigam veias abertas.
    Bela postagem!
    Grata por tua visita em meu "Baú de Guardados".
    Beijos.
    Genny

    ResponderEliminar
  5. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. As palavras só são inúteis quando o silêncio é maior...
    Um belo poema.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Apreciei o teu Poema e não quero deixar de "avaliar" o que leio.
    Gosto do tema e do modo de o apresentares. Tens futuro.
    Parabéns.

    SOL

    ResponderEliminar
  8. um pouco "sombrio" teu poema....

    ... e no entanto prende-nos sua beleza.

    dominas na perfeição a "arte" de escrever boa Poesia.

    beijo

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo!
    Às vezes são inúteis as palavras... quando não traduzem a emoção... não é o caso do teu poema... belíssima a forma como nos agarras a atenção, desde a primeira à última palavra, do teu poema... adorei!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar
  10. TODO ES FABULOSO, SIN DESPERDICIOS PARA GUARDAR...!!!

    ResponderEliminar